O longa Bohemian Rhapsody (2018) é um dos maiores feitos dramáticos e tecnológicos da história. A trama captura quase todos os elementos que tornaram a banda Queen o fenômeno único que ela é, enquanto a proeza tecnológica permitiu que os fãs vivessem pela primeira vez ou revivessem alguns dos maiores momentos da trajetória da banda britânica.

O vocalista Freddie Mercury foi interpretado de forma magistral por Rami Malek, mas recriar a potência e amplitude da sua voz seria uma tarefa impossível para qualquer ator ou cantor. Para solucionar essa questão, os produtores misturaram várias faixas vocais de diferentes vocalistas.

(Photo by MTV International/CC BY 3.0 “Elenco de Bohemian Rhapsody durante uma entrevista sobre o filme”

Ao mesmo tempo, seria muito custoso replicar o número exato de um público de estádio com o número real de extras necessário. Para compensar isso e recriar a sensação de estar no meio de uma multidão real, os produtos utilizaram uma inovadora técnica de varredura que replicou digitalmente cerca de cem extras em 360° para que eles parecessem dezenas de milhares.

É possível afirmar que a realidade virtual (RV) é uma das principais tecnologias do futuro do entretenimento, mas, mesmo que de maneira imperceptível, ela já está sendo utilizada em diversos filmes e seu uso em Bohemian Rhapsody é um dos melhores exemplos recentes.

Uso impressionante da Realidade Virtual

O estádio de Wembley foi construído em 1922 e ficou famoso ao redor do mundo tanto pelas suas partidas de futebol quanto pelos seus shows icônicos. Um dos principais foi o do Queen para o Live Aid em 1985, show lendário que mudou para sempre a história do rock e é o grande clímax dramático do longa.

Além da já mencionada questão do grande número de extras, havia outro problema para recriar a famosa apresentação. O estádio de Wembley original havia sido demolido em 2003 e não havia como filmar no local. Mesmo com o cenário real fora de questão, o intuito de prestar uma homenagem adequada permanecia e a equipe de produção se esforçou ao máximo para reproduzir a experiência da melhor forma possível.

Para conseguir fazer isso, o desenhista de produção do filme, Aaron Haye, rapidamente começou a supervisionar a construção de uma réplica baseada no estádio original de Wembley.

Enquanto a construção de uma réplica do estádio era a solução ideal para filmar a cena em si, a equipe de produção se viu diante de outro dilema.

Para capturar a mesma sensação do show, a sequência de filmagem deveria ser perfeita e envolveria uma estratégia de câmera muito complexa que só seria possível se o diretor de fotografia, Newton Sigel, tivesse suficiente para planejá-la da forma certa.

Como seria impossível fazer isso da forma correta enquanto a réplica do palco ainda estava em construção, a equipe do longa se valeu da sua empresa de efeitos visuais, a britânica Double Negative (DNEG), para encontrar uma solução baseada em realidade virtual.

(Photo by Steve Daniels/CC BY-SA 2.0 “Versão original do Estádio de Wembley antes da reforma realizada em 2003”

Equipada com renderizações em 3D de como ficaria a versão final da réplica, a DNEG criou renderizações esféricas modeladas a partir do conjunto. Renderizações esféricas são panoramas virtuais de 360° que permitem ao espectador explorar o espaço de forma livre sem ficar restrito a ângulos de câmera limitados.

Com a ajuda dessa impressionante tecnologia de realidade virtual, Sigel foi capaz de explorar o espaço enquanto segurava uma câmera, filmando-o em qualquer direção para estudar a posição e os ângulos de filmagem sem depender da maquete que ainda estava sendo construída.

Quando finalmente ficou pronta, o diretor já estava com um plano cinematográfico detalhado em mãos, que economizaram muito tempo de produção e permitiram que a sequência fosse filmada de uma forma muito mais rápida e com mais precisão que o normal.

O longa foi um dos mais premiados do Oscar  e o resultado de todo esse esforço épico por parte da equipe de produção e do elenco do filme não ficou nada menos que impressionante.

A melhor forma de experimentar esse espetáculo é assistir ao longa inteiro, mas para ter um gosto da experiência final e ver o nível de sucesso impressionante que a equipe alcançou, basta apenas assistir à comparação lado a lado do hino “We Will Rock You”.

 

Créditos do artigo: Luara Lua Pereira de Marinis; Max Pires.

O quadro “Show dos Famosos” do programa Domingão do Faustão chegou a final de sua segunda edição no último domingo (14), e Hugo Bonemer, um dos finalistas, decidiu homenagear Freddie Mercury com um medley de ‘Bohemian Rhapsody’ e ‘We Are The Champions’.  Uma curiosidade é que Hugo foi o dublador de Rami Malek no filme Bohemian Rhapsody na versão dublada no Brasil. Ele terminou o programa na 3ª colocação em visto que o primeiro lugar terminou empatado, levando dois campeões, os cantores Di Ferrero e Ludmilla, Diogo Nogueira e Solange Almeida eram os outros finalistas.

Em 2018 na primeira edição do quadro, o ator Silvero Pereira foi quem levou Freddie Mercury em uma de suas apresentações com a música ‘I Want To Break Free’ e arrancou elogios do público e dos jurados.

Para quem não conseguiu assistir, o vídeo completo da apresentação de Hugo Bonemer está disponível no Globoplay: clique aqui para assistir

Confira algumas imagens:

 

Após o sucesso da turnê pelo Brasil no final de Maio e início de junho, o Queen Extravaganza, tributo oficial do Queen, retorna ao país em Setembro para mais cinco apresentações. Confira as datas e as cidades:

12 de setembro  –  São Paulo – SP, Credicard Hall

13 de setembro  –  Belo Horizonte – MG, no Km de Vantagens Hall

14 de setembro  –  Rio de Janeiro – RJ, Vivo Rio 

15 de setembro  –  Vitória – ES, Espaço Patrick Ribeiro

17 de setembro  –  Brasília – DF – Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Os ingressos serão vendidos através do site:  www.poladian.com.br
Saiba quando poderá adquiri-los:

Pré-venda para membros do clube dos shows de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília / Clientes Credicard para o show de São Paulo: 26 de Junho a partir das 10h

Pré-venda para membros do clube de show em Vitória: 27 de Junho às 10h

Vendas gerais para Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória e Brasília: 28 de Junho às 10h

Vendas gerais para show em São Paulo: 29 de Junho às 10h

O Queen Extravaganza:

Vocal: Alirio Netto –  Alírio Netto se juntou ao Queen Extravaganza em 2018. No estúdio ou no palco, sua voz poderosa impressionou Roger e Brian quando atuou como Galilleo na produção brasileira do musical We Will Rock You em 2016.

Em seu currículo, Alírio acumula prêmios como por seu papel como Judas no musical Jesus Christ Superstar, bem como inúmeros elogios do público e críticas como vocalista.

“Alírio não é apenas um cantor superlativo, mas ele é um ótimo showman que apresenta nossas músicas com um tremendo talento”, diz Roger Taylor.

Teclados e MD: Darren Reeves (Reino Unido)  – Darren é tecladista do Queen Extravaganza desde 2015 e foi o tecladista da versão londrina do programa We Will Rock You.

Baixo: François-Olivier Doyon (Canadá)  – François esteve no Queen Extravaganza desde as primeiras audições em 2011, quando liderou centenas de candidatos.

Baterista: Marco Briatore (Itália)  – Marco chamou nossa atenção como baterista da banda de apoio ‘Electric Pyramid’ nas turnês britânicas do Queen Extravaganza. Ele é um artista talentoso tocando e cantando em vários projetos, bem como suas excelentes habilidades ao vivo. Estamos muito animados em recebê-lo em sua primeira turnê como baterista no Queen Extravaganza.

Guitarrista: Nick Radcliffe (UK)  – Nick se juntou ao Queen Extravaganza em 2015, tendo se apresentado no show de We Will Rock You em Londres, além de trabalhar com uma grande variedade de artistas e shows de Tony Hadley, The Official Motown Musical e Nik Kershaw.

 

Fonte: Queen Online

Nos últimos dias, Brian May acompanhado de sua esposa, Anita Dobson, visitou a cidade de origem de Freddie Mercury, Stone Town, em Zanzibar e visitou alguns lugares que fazem parte da história do amigo. Orgulhoso ele postou algumas imagens no Instagram como se fosse um verdadeiro fã do Queen e também aproveitou para um desabafo sobre críticas ao filme Bohemian Rhapsody, confira:

Residência de Freddie Mercury e sua irmã

 

“ZANZIBAR !!! Cidade De Pedra. Este é o prédio onde Freddie e sua irmã Kashmira viveram quando eram jovens. Uma peregrinação !!!

Escola de Freddie Mercury

“Na escola do Freddie. Sob orientação da adorável irmã de Freddie, Kashmira, e de Abdul, nosso excelente guia zanzibariano, conseguimos refazer muitos dos passos da infância de Freddie. Esse algo que eu sonhei em fazer por muitos anos. É bom compartilhar com vocês.”

Hospital onde Freddie nasceu

“Local de nascimento de Freddie. Finalmente. O hospital onde Farrokh nasceu para Jer e Bomi Bulsara no dia 5 de setembro de 1946. E depois a sua irmã Kashmira no mesmo lugar. Foi uma emoção para mim encontrá-lo. Então, nós fizemos nosso amigo justiça no recente filme que nós desatrelamos? Alguns dos comentários no meu post anterior sobre a “precisão” do filme Bohemian Rhapsody me fazem perceber que muitas pessoas não entendem o que “preciso” significa no contexto de um filme biográfico – em vez de um documentário. Pare e pense sobre isso. Você está tentando retratar 20 anos em duas horas de tempo na tela. E você tem uma história que você quer contar sobre a jornada emocional e espiritual. Você quer contar a história honestamente, decentemente, sem quaisquer questões importantes, mas sem detalhes lascivos gratuitos. Você quer que faça sentido para pessoas de todas as raças, cores, inclinações sexuais e idades. E, crucialmente, você quer que seja divertido, emocionalmente inspirador, ou então, por que se incomodar? Pense na grande maioria das palavras e nas palavras das palavras faladas nesses 20 anos. Não há como contar sua história sem comprimir as escalas de tempo, mover os eventos, condensar várias conversas ao longo dos anos em cenas únicas, juntar personagens e, basicamente, DEIXAR 99,9% do que realmente aconteceu. Alguns críticos de poltrona pensam, comparando a narrativa do filme com recados que coletaram de matérias de imprensa, biografias não autorizadas, etc., que eles vêem “erros”? Posso assegurar-lhe, não um único, palavra, ação, emoção em Bohemian Rhapsody, um pincel, em um retrato coerente de um homem O fato de esse filme ter se tornado o filme biográfico de maior sucesso na história da equipe BR – no geral – acertou. 💥💥💥💥 Obrigado pelo apoio esmagador, estou muito emocionado. Eu tenho ótimos amigos. OK amigos – todos nós dissemos a nossa parte – devemos seguir em frente?”

Por último, Brian também postou uma foto de Freddie ainda criança e confessa nunca ter visto a imagem antes, junto descreveu uma linda mensagem em homenagem ao seu (e nosso) saudoso amigo:

“Nós gostamos de passar o dia com esse garotinho em nossas mentes. Um menino pequeno com grandes sonhos. Um jovem que se tornou irmão de Roger e John e eu por 22 anos. Um garoto tímido com quem compartilhamos uma visão impossível de fazer música que mudaria o mundo. Pouco nos atrevemos a acreditar que realmente aconteceria. Estou feliz que através do Instagram consegui compartilhar algumas das experiências de hoje. Postarei mais algumas fotos e outras coisas quando eu for classificado. Enquanto isso … Asante Sana Freddie. Felicidades pessoal E obrigado @freddiemercuryb por essa linda foto que eu não me lembro de ter visto antes.”

Ficamos felizes em acompanhar um pouco desse momento importante para o Brian, realizando um sonho que é de todo fã de Queen e principalmente Freddie Mercury.

Siga o Brian no Instagram: @brianmayforreal
Sita também o Queen Net: @queennetbrasil

GOD SAVE THE QUEEN!!!

” Rocketman e Bohemian Rhapsody têm um diretor em comum: Dexter Fletcher, que revelou que quase vimos o Freddie Mercury de Rami Malek no filme sobre Elton John.

‘Eu tive essa ideia, em um ponto, em que Elton estava em um restaurante com sua mãe. Eu pensei que John Reid e Freddie poderiam estar na outra mesa e eles acenariam um para o outro!’, disse o diretor.

‘Isso teria sido incrível [mas] não aconteceu. Teria sido um pouco demais… não quero fazer um universo cinematográfico!’, continuou Fletcher.

Em todo caso, os dois filmes provaram ser muito bem sucedidos, com Rocketman já se destacando na crítica e bilheteria.

Rocketman já está nos cinemas.

 

Fonte: Observatório do Cinema

“As definições de mosaicos de torcida acabam de ser atualizadas pelos seguidores do Los Angeles FC. “LAFC 3252”, torcida organizada da franquia da MLS criada em 2014, se inspirou no clássico ritmo de “We will rock you”, do Queen, que embala as partidas da equipe, para fazer um espetáculo único. Antes da vitória por 4 a 2 sobre o Montreal Impact, um Freddie Mercury gigante foi erguido na arquibancada atrás de um dos gols.

Ao lado da figura do ex-vocalista da banda britânica, estavam as inscrições da famosa música. A franquia participa da MLS desde o ano passado. Em seu primeiro ano, teve média de público de mais de 22 mil torcedores por partida. A “LAFC 3252” é ativa na comunidade e também faz ações de apoio a minorias. Respaldada pelo clube, em maio ambos têm feito manifestações contra a homofobia.”

Confira:

 

Fonte: Globo Esporte

Este ano o Queen Net completa 20 anos e uma das formas de comemoração é o nosso 1º encontro de fãs e você não pode ficar de fora! Será um final de semana com muita diversão em Poços de Caldas, Minas Gerais, com muito Queen e uma ótima oportunidade para fazer novos amigos fã da banda.

CONFIRA A NOSSA PROGRAMAÇÃO:

28/06 – SEXTA-FEIRA
Jantar com o grupo

29/06 – SÁBADO
08h as 12h – Passeio turístico (LIVRE)
12h30 as 14h – Almoço (LIVRE)

Auditório Cia Bella de Artes, edifício Manhattan:
15h – Abertura
16h – Palestra
17:30 – Sorteio (dinâmica)
18h – Apresentação c/ Marcio Sanches
19h30 – Intervalo (coffee break)
20h – Show tributo ao Queen com a banda Maverick Laurah Rock Band com participação de Fabio Laguna (ex tecladista do Angra)
21h30 – Confraternização

30/06 – DOMINGO
08h a 12h – Passeio turístico e despedida

 

Valores:

* Será cobrado um valor de R$100 para as atrações de sábado no auditório, para palestras e shows (incluso brinde e confraternização ao fim). Os ingressos são limitados, será vendido antecipadamente e está sujeito a esgotar antes da data do encontro, do contrário será vendido também na bilheteria do auditório no dia do evento. Confira abaixo como pode ser feita a compra do ingresso (não fazemos reservas dos mesmos):

O valor será depositado na conta de:
Bruno Cavalcante de Oliveira
Banco Bradesco
Agência: 3286
Conta Poupança: 1002928-7
CPF: 054.318.609-17

O comprovante de depósito deverá ser enviado para o e-mail ou para o WhatsApp:
bruno@cdadvogados.adv.br
(41)9925-8025

Após o envio do comprovante de depósito, você receberá um voucher que deverá ser trocado pela pulseira no dia e local do evento.

** Outros despesas como hospedagem, refeições, passagens e outros custos, fica por conta de cada um.

 

AS RESERVAS DE HOSPEDAGEM PODEM SER FEITAS EM NOSSO HOTEL PARCEIRO (não obrigatório, fica a escolha de cada um):
ÁGUAS HOTEL – Tel: (35) 3722-7100

Confirme sua presença em nosso evento do Facebook e fique por dentro de todas as novidades até a data marcada: https://www.facebook.com/events/997995057070327/

(Os responsáveis pelo encontro no local do evento serão Bruno Cavalcante e Fabiano Miguel)

“Roger Taylor, baterista do Queen, lançou a nova faixa solo ‘Gangsters Are Running This World’.

A música é um comentário sincero sobre a atual situação do mundo: “Há sangue nas ruas /  pânico no ar / os mercados estão subindo / na loucura e no medo

Esta não é a primeira vez que Taylor lança músicas de cunho político. Há 25 anos, ele lançou o single ‘Nazis1994’ e seu álbum Electric Fire (1998) apresenta um cover da clássica música ‘Working Class Hero’ de John Lennon.”

Ouça:

 

Fonte: Queen Online e Rolling Stone

O baterista do Queen, Roger Taylor, afirmou em entrevista ao programa inglês Good Morning Britain, na segunda-feira (25) que ainda não recebeu seu cachê pelo filme Bohemian Rhapsody, premiado com quatro estatuetas no Oscar 2019.

“Eu ainda não vi o dinheiro”, disse ele em tom de descontração ao apresentador Piers Morgan.

Apesar disso, o músico não economizou elogios ao intérprete de Freddie Mercury na obra, Rami Malek.

“Ele ficou muito próximo do Freddie, espiritualmente falando. Rami é fisicamente diferente dele, mas ficou incrível no papel”, afirmou.

 

Fonte: https://exame.abril.com.br

 

Bohemian Rhapsody,  cinebiografia do Queen que levou quatro estatuetas no Oscar 2019 e foi um sucesso de bilheteria, pode estar prestes a receber uma sequência. Rudi Dolezal, diretor de diversos vídeos da carreira da banda, revelou a novidade em entrevista ao Page Six.

“Tenho certeza de que ele [Jim Beach, empresário do Queen], planeja uma sequência que começa com o Live Aid”, disse, antes de acrescentar que a “Família Queen está discutindo fortemente a possibilidade”.

Em dezembro de 2018, o guitarrista Brian May chegou a dizer que “o Live Aid é um bom ponto final. Quem sabe, pode haver uma sequência”. Vale lembrar que o icônico show do Queen no show beneficente aconteceu no ano de 1985, enquanto Mercury morreu seis anos depois, em 1991.

Bohemian Rhapsody arrecadou mais de US$ 870 milhões em bilheteria mundial, tornando-se a maior cinebiografia de todos os tempos, e a performance de Rami Malek como Freddie Mercury lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator, em sua primeira indicação à premiação.

 

Fonte: IGN Brasil

Mike Grose e Gerry Stickels, respectivamente baixista e empresário do Queen em sua formação original, morreram nesta semana, com diferença de menos de um dia. Ambos os informes foram dados por Roger Taylor, baterista e um dos fundadores do grupo.

“Gerry Stickells, o maior empresário do mundo, faleceu depois de uma longa luta contra a doença. Ele era mais do que um empresário para o Queen. Ele era uma figura paterna, grande amigo e professor e uma ilha de tranquilidade no meio do caos. Ele teve um efeito profundo na minha vida. Desde seus primeiros dias com Jimi Hendrix, passando por todos os anos com Queen e Paul McCartney, Gerry foi o cara! Sentiremos muita falta dele e enviaremos amor a Sylvia e à família neste momento difícil. Com muita tristeza, Roger”, escreveu o músico, na última quinta-feira (7).

Um dia antes, Taylor havia publicado uma mensagem póstuma em homenagem a outro representante do grupo, Mike Grose: “Estou tão triste de saber do meu velho amigo Mike Grose… Eu o ouvi pela primeira vez numa banda chamada ‘The Individuals’, quando nós dois ainda estávamos na escola. Ele sempre foi grande. Descanse em paz”.

O comunicado de despedida de Grose também foi publicad no site oficial do Queen, embora a causa da morte ainda não tenha sido divulgada. O músico fez parte do Queen no início de 1970. em seguida, foi substituído por Barry Mitchell.

A notícia triste veio 14 dias após ex-integrantes do Queen vibrarem com os prêmios no Oscar de “Bohemian Rhapsody”, filme que retratou a trajetória de Freddie Mercury e, por consequência, da banda Queen. O longa-metragem se sagrou o mais premiado no Oscar 2019, vencendo as categorias Melhor Montagem, Melhor Edição de Som, Melhor Mixagem de Som e Melhor Ator.

Fonte: https://extra.globo.com

O tributo oficial do Queen, a banda Queen Extravaganza, se apresenta no Brasil no mês de Maio e Junho. A banda que atualmente tem um representante brasileiro, o vocalista Alirio Netto, é produzida pelos membros do Queen, Roger Taylor e Brian, e vem ao Brasil para cinco apresentações, confira os locais e as datas:

25 de Maio de 2019 – Curitiba/PR – Teatro Guaira (vendas de ingressos a partir do dia 27 de Fevereiro no site: www.poladian.com.br)

28 de Maio de 2019 – Porto Alegre/RS – Auditório Araújo Viana (vendas de ingressos a partir do dia 27 de Fevereiro no site: www.poladian.com.br)

30 de Maio de 2019 – São Paulo/SP – Espaço das Américas (vendas de ingressos a partir do dia 28 de Fevereiro no site: www.poladian.com.br)

31 de Maio de 2019 – Rio de Janeiro/RJ – Theatro Municipal (A data das vendas de ingressos ainda serão anunciadas, no site: www.poladian.com.br )

1º de Junho de 2019 – Rio de Janeiro/RJ – Theatro Municipal (A data das vendas de ingressos ainda serão anunciadas, no site: www.poladian.com.br )

“Após o sucesso retumbante de sua recente turnê mundial, o Queen Extravaganza finalmente chega ao Brasil, um show espetacular criado pelos companheiros de banda e membros originais do Queen – o icônico baterista Roger Taylor e o lendário guitarrista Brian May – para trazer a gloriosa música e experiência ao vivo do lendário banda de rock, rainha.

‘Queen Extravaganza é um show especialmente projetado para permitir que novos fãs, juntamente com fãs do passado, celebrem a música do Queen em um evento de tirar o fôlego, diz Taylor.” É muito espetacular, é muito visual, haverá alguns choques e algumas tremendas surpresas. Será uma celebração do rock na tradição real.’

Além de Taylor e May, o show também conta com mais uma ajuda, a tecladista de longa data Queen Spike Edney, que supervisiona a direção musical apesar de não estar em turnê com a banda. O show foi projetado pela equipe criativa do Queen, Ric Lipson da Stufish e designer de iluminação Rob Sinclair.

O show de 90 minutos apresenta mais de 20 clássicos do Queen inspirados nos maiores sucessos da banda, incluindo Bohemian Rhapsody, Another One Bite the Dust, Crazy Little Thing Called Love, Under Pressure, We Will Rock You. “We Are the Champions”, “Kind of Magic”, “Radio Ga Ga”, “Alguém para Amar” e “Killer Queen”, assim como outros favoritos dos fãs.

Brian May diz: ‘Fãs da Rainha !!! Esta pode ser sua única chance de ver os maiores sucessos de todos os Queen executados de forma imaculada – AO VIVO !! ‘

A banda é formada por músicos escolhidos a dedo por Roger & Brian. ‘Esses caras são incrivelmente talentosos, com a perfeita recriação de nossas músicas”, diz Roger Taylor.”

O Queen Extravaganza:

Vocal: Alirio Netto (Brasil)
Alírio Netto se juntou ao Queen Extravaganza em 2018. No estúdio ou no palco, sua voz poderosa impressionou Roger e Brian quando Ele atuou como Galileu na produção brasileira do musical We Will Rock You em 2016. Em seu currículo, Alírio se orgulha de prêmios como por seu papel como Judas no musical Jesus Christ Superstar, bem como inúmeros elogios do público e críticos como um vocalista.

“Alírio não é apenas um cantor superlativo, mas ele é um ótimo showman que apresenta nossas músicas com um tremendo talento”, diz Roger Taylor

Drummer:
Tyler é o diretor musical durante a turnê, garantindo que a banda esteja sempre afinada, trabalhando simultaneamente como percussionista em turnê com o Queen + Adam Lambert.

Baixista: François-Olivier Doyon (Canadá)
François está na Queen Extravaganza desde as primeiras audições em 2011, quando liderou centenas de candidatos para ganhar um papel na banda.

Guitarrista: Brian Gresh (EUA)
Brian fez parte da primeira formação do Queen Extravaganza depois de impressionar os jurados e ser escolhido entre centenas de músicos como guitarrista. Ele retorna para a banda sempre que sua agenda permitir.

Teclados: Darren Reeves (Reino Unido)
Darren é tecladista do Queen Extravaganza desde 2015 e tecladista da versão londrina do programa We Will Rock You.

 

Fonte: Queen Online

A cinebiografia do Queen, Bohemian Rhapsody, tornou-se destaque na noite do Oscar de 2019, levando quatro dos cinco prêmios que concorria na Academia, o maior prêmio do cinema mundial. O filme concorria nas categorias de Melhor Ator (Rami Malek), Melhor Edição de Som (Nina Hartstone e John Warhurst), Melhor Mixagem de Som (John Casali e Tim Cavagin), Melhor Montagem (John Ottman) e só não saiu vencedor na categoria de Melhor Filme. Tornou-se o filme com mais conquistas da noite.

Nós do Queen Net estamos muito orgulhosos e extremamente felizes em noticiar mais essas conquistas tão importantes para a história do Queen, após tantos anos de espera o filme finalmente foi lançado e da melhor forma possível. Não temos palavras no momento para decifrar o tamanho da nossa gratidão e do nosso orgulho por essa banda, que escreveu de forma magistral  sua história na música.

(Iremos postar fotos do evento logo mais, fiquem ligados em nosso site!)

 

GOD SAVE THE QUEEN!

Nesta data, em 18 de fevereiro de 1990, aconteceu a última aparição pública de Freddie Mercury, quando o Queen recebeu uma homenagem no Brit Awards, em Londres, sendo condecorado por sua “Contribuição à Música Britânica”.

Freddie estava junto com a banda mas não abriu a boca, o que serviu para alimentar os rumores que diziam que ele estava doente, que já vinham ocorrendo há um certo tempo – a última apresentação da banda com o vocalista aconteceu em 9 de agosto 1986 no Knebworth Fest. Já em outubro daquele ano, a imprensa britânica começou a noticiar que Mercury havia sido diagnosticado como portador do vírus da AIDS em uma clínica da rua Harley, e uma repórter do The Sun perguntou ao cantor a respeito quando ele desembarcou em um aeroporto voltando de uma viagem ao Japão, e ele negou o boato. De acordo com o parceiro de Freddie, Jim Hutton, o cantor foi diagnosticado soropositivo em abril de 1987, mas decidiu negar todos os boatos sempre que questionado. No entanto, a saúde física de Freddie se deteriorou rapidamente, e ele começou a aparecer em público cada vez mais magro e pálido, o que levou a imprensa a publicar centenas de artigos especulando sobre o assunto.

Apesar de não poder se apresentar ao vivo, Freddie continuou a trabalhar com a banda até o fim; depois de descobrir sua doença, o cantor lançou um disco de ópera e também lançou mais dois álbuns com a banda, e continuou a gravar videoclipes com o grupo, sendo que o vídeo de “These Are the Days of Our Lives”, gravado em maio de 1991, foi o último trabalho de Freddie em frente as câmeras; para esconder as horríveis manchas que tinha na pele, ele teve de passar horas se maquiando, e o vídeo teve de ser lançado em preto e branco para esconder sua aparência.

 

Fonte: www.meionorte.com

 

Banda não revelou qual será a performance

A Academia anunciou hoje, dia 18, que o Queen e Adam Lambert farão uma apresentação no Oscar. O grupo se apresenta com os membros fundadores Brian May e Roger Taylor.

Ainda não foi revelado o que a banda tocará na cerimônia.

Recentemente, foi reportado que a Academia pretendia apresentar apenas duas músicas indicadas na categoria de melhor canção original. O Oscar, no entanto, foi contra a especulação ao anunciar a performance das cinco músicas, e o anúncio do Queen parece ir contra a ideia de que a Academia pretende cortar o tempo de música da cerimônia.

A entrega do Oscar 2019 acontece no dia 24 de fevereiro,.

Fonte: https://www.omelete.com.br

 

A ciência costuma dar “vereditos” favoráveis ao Queen em estudos específicos sobre música. Pesquisadores europeus já descobriram, por exemplo, que a voz de Freddie Mercury era única.

Outro estudo, liderado pelo doutor em neurociência cognitiva Jacob Jolij, da Universidade de Groningem na Holanda, descobriu que “Don’t Stop Me Now” pode ser classificada como a música mais inspiradora da história. A pesquisa é de 2015, mas os resultados, embora divulgados pela imprensa na época, voltaram a aparecer em alguns sites e perfis de redes sociais.

Um ranking chegou a ser formado pelo estudo, colocando “Dancing Queen” (Abba) em 2° lugar e “Good Vibrations” (Beach Boys) em 3° lugar. Há, ainda, canções de Survivor, Cyndi Lauper, Bon Jovi e Gloria Gaynor.

A pesquisa em questão teve o intuito de mensurar as sensações de prazer ao se ouvir determinada música. Uma fórmula chegou a ser gerada para quantificar isso. Veja:

Avaliação = 60 + (0,00165 * BPM – 120) ^ 2 + (4,376 * escala) + 0,78 * número de acordes – (escala * número de acordes)

Resumindo: a fórmula mensura as batidas por minuto (BPM) de uma música, bem como a escala em que foi composta e quantos acordes foram usados. Segundo a pesquisa, esses três fatores são os principais para uma música trazer a sensação de prazer.

O estudo, obviamente, não se resume apenas a essa fórmula. Outro tópico analisado é o tema da letra, que, em casos de músicas que geram prazer, “costumam ser bem pessoais”. “A música está diretamente ligada à memória e emoção. E essas associações determinam, fortemente, se uma música vai te deixar com bom humor ou não”, afirmou o dr. Jacob Jolij.

A fórmula “perfeita” para uma música empolgante é contar com boa letra, escala musical ideal e batida em ritmo considerado perfeito. Músicas natalinas, por exemplo, remetem a épocas de felicidade. Já as composições feitas em terça maior, o terceiro grau da escala maior, são associadas à confiança. Canções com 150 batidas por minuto também trazem sensação de energia.

Veja, a seguir, as 10 músicas mais inspiradoras do mundo, segundo a pesquisa:

10. Katrina & the Waves, “Walking on Sunshine”
9. Gloria Gaynor, “I Will Survive”
8. Bon Jovi, “Livin’ on a Prayer”
7. Cyndi Lauper, “Girls Just Wanna Have Fun”
6. The Monkees, “I’m a Believer”
5. Survivor, “Eye of the Tiger”
4. Billy Joel, “Uptown Girl”
3. Beach Boys, “Good Vibrations”
2. ABBA, “Dancing Queen”
1. Queen, “Don’t Stop Me Now”

 

Fonte: https://whiplash.net

 

 

Fonte: Sky

Enquanto o Maroon 5 comandou — e decepcionou — o intervalo do Super Bowl este ano, o Foo Fighters fez a alegria dos fãs de Rock em um evento anterior à final da NFL no sábado (02).

A banda de Dave Grohl foi a principal atração do Super Saturday Night, evento da DirecTV que foi transmitido ao vivo na Internet. A abertura ficou por conta do sempre ótimo duo Run the Jewels, que tocou sete músicas.

Ao tocar a costumeira cover de “Under Pressure”, canção do Queen com David Bowie, o Foo Fighters recebeu ninguém mais, ninguém menos que Roger Taylor para assumir a bateria, enquanto Taylor Hawkins foi para os vocais.

Pouco depois, foi a vez de Tom Morello e Zac Brown darem um pulo por lá para tocar “War Pigs”, do Black Sabbath, e ainda ficarem para receber Perry Farrell em uma cover de “Mountain Song”, da sua própria banda, o Jane’s Addiction. Outra participação foi a do saxofonista Dave Koz em “La Dee Da”.

Setlist – Foo Fighters no pré-Super Bowl

  1. All My Life
  2. Learn to Fly
  3. The Pretender
  4. The Sky Is a Neighborhood
  5. Times Like These
  6. Sunday Rain
  7. My Hero
  8. These Days
  9. Walk
  10. La Dee Da (com Dave Koz)
  11. Another One Bites the Dust / Imagine / Jump / Blitzkrieg Bop / Day-Oh
  12. Under Pressure (Queen cover) (com Roger Taylor)
  13. Monkey Wrench
  14. Run
  15. War Pigs (Black Sabbath cover) (com Zac Brown e Tom Morello)
  16. Mountain Song (Jane’s Addiction cover) (com Perry Farrell, Zac Brown e Tom Morello)
  17. Best of You
  18. Everlong

 

Fonte: http://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com

 

O vocalista Paul Rodgers falou sobre sua passagem pelo Queen em entrevista a Eddie Trunk, transcrita pelo Blabbermouth. O cantor do Bad Company e ex-Free participou do projeto Queen + Paul Rodgers, que existiu entre 2004 e 2009.

Rodgers destacou que seu trabalho com o Queen foi de “trajetória insana”. “Veio do nada. Quando Brian (May, guitarrista do Queen) perguntou se eu toparia fazer alguns shows pela Europa, só por diversão, eu fiquei surpreso. Minha reação inicial foi: ‘não vejo isso rolando’. Porém, vi aquilo como desafio e tentei não me acovardar”, afirmou.

Com um início tão inusitado, Paul Rodgers não parecia esperar que o projeto durasse por alguns anos – e ainda rendesse um álbum de estúdio, “The Cosmos Rocks” (2008). “Nós fizemos turnês mundiais por duas vezes e lançamos um álbum de músicas autorais. Então, foi uma trajetória insana. Ainda somos amigos, amo aqueles caras”, disse.

O fim da parceria ocorreu amigavelmente, em 2009, após Paul Rodgers retornar ao Bad Company. “Quando uni forças com o Queen, eles não estavam fazendo turnês. Eram só alguns shows isolados – shows enormes, mas não eram turnês. Comigo, a banda saiu em turnê. Queriam tocar 50% de músicas deles e 50% das minhas, mas eu falei: ‘as pessoas não veem o Queen há muito tempo, deveríamos ter mais músicas do Queen’. Então, tocávamos apenas quatro ou cinco músicas minhas. Foi ótimo”, afirmou.

Em entrevistas anteriores, Paul Rodgers sempre se lembra com carinho de sua passagem pelo Queen. Ele costuma destacar que, diferente de outros cantores, não quis abaixar os tons das músicas para interpretá-las. “O desafio era cantar aquele material da forma original, só que em minha própria versão”, disse.

 

Fonte: https://whiplash.net

 

Em comemoração ao lançamento de Bohemian Rhapsody nas plataformas digitais, a Fox Home Entertainment Digital traz para o Brasil o #StompForQueen, movimento lançado mundialmente no último dia 15 de janeiro nas redes sociais. A ação promove um grande tributo virtual à banda Queen, com vídeos feitos por fãs, que reverterá em doações da Twentieth Century Fox à instituição Mercury Phoenix Trust, criada em 1992, para combater a AIDS e dar apoio a pacientes.

Em parceria com a Universal Music Brasil, a 20th Century Fox Home Entertainment promove, no próximo domingo, dia 3, um Flash Mob na Avenida Paulista com os integrantes do canal do YouTube FitDance – principal canal de dança, para prestar a sua homenagem e incentivar a participação dos fãs brasileiros na campanha #STOMPFORQUEEN.

Premiado pelo Globo de Ouro e indicado à cinco categorias do Oscar®, Bohemian Rhapsody chega às plataformas digitais no dia 7 de fevereiro, com versões para locação e compra. A versão disponível para compra traz uma nova experiência aos fãs, com especiais sobre a história da banda, os bastidores do filme e entrevistas, além da apresentação completa do show “Live Aid” feita para o filme, inédita nos cinemas.

Data: 3/2 (Domingo)
Local: Avenida Paulista, altura do número 1374.
Horário: 11h45

Maiores Informações: https://www.facebook.com/events/750905431953136/