As faixas de áudio da lendária performance do Queen no Live Aid, em 1985, chegam oficialmente nas mãos dos fãs da banda pela primeira vez junto com o material que integra a trilha sonora de “Bohemian Rhapsody”, cinebiografia que celebra sua música e seu extraordinário vocalista Freddie Mercury.

O áudio do histórico concerto de Wembley se junta à raridades como a versão ao vivo de “Fat Bottomed Girls” retirada de um dos shows de Paris em 1979, que integrou a turnê mundial “Jazz”, e jamais havia sido lançada.

A trilha sonora, com todas as gravações e vocais originais do Queen, com produção assinada por Brian May e Roger Taylor, foi lançada mundialmente nesta sexta-feira (19) em CD e em formatos digitais.

O filme “Bohemian Rhapsody”, que chega aos cinemas de todo o mundo a partir de novembro, é estrelado por Rami Malek como Freddie, Gwilym Lee no papel de Brian May, Ben Hardy como Roger Taylor, Joe Mazzello vivendo John Deacon e Lucy Boynton no papel de a companheira de toda a vida de Freddie, Mary Austin.

Fonte: https://www.radiorock.com.br

Brian May e Roger Taylor revelaram em um novo vídeo de bastidores os truques que ensinaram aos atores de “Bohemian Rhapsody”, filme que se debruça sobre a história da banda e do falecido vocalista Freddie Mercury. A estreia está marcada para o dia 1 de novembro.

Rami Malek, o protagonista do filme, fala sobre a pressão que sentiu ao encarnar Mercury e os colegas Gwilym Lee e Ben Hardy, que desempenham respetivamente os papéis de May e Taylor, falam sobre os encontros que tiveram com os músicos. “Quando vejo as cenas quase chego a acredito que sou eu!”, confessa May. Veja abaixo (em inglês).

Fonte: https://blitz.sapo.pt/

Produção que focaliza o cantor do Queen estreia daqui a duas semanas

O local é o Soho Hotel, em pleno mês de junho, durante o verão londrino. Aqui, no coração de Londres, estão reunidos os atores e produtores de Bohemian Rhapsody, biografia cinematográfica de Freddie Mercury, cantor do Queen, e um dos maiores ícones do rock, falecido no dia 24 de novembro de 1991, aos 45 anos, vitimado pelo vírus HIV. O aguardado filme, com direção de Bryan Singer, estreia no Brasil em 1º de novembro. Será um dos eventos do ano para quem gosta de música. Assim, todo o sigilo era necessário para não estragar a surpresa. Todos os participantes do evento tiveram que passar por diversos dispositivos de segurança, além de ter que assinar cláusulas que garantissem o sigilo total até os dias anteriores a estreia.

Mas antes conversar com os participantes, os integrantes da imprensa foram levados a um cinema localizado dentro do hotel. Lá, foi exibida uma cópia incompleta do filme, com cerca de uma hora duração. Até então, haviam sido distribuídos para a imprensa apenas alguns vídeos esparsos. O filme ainda não havia sido completado e necessitava passar por um processo de pós-produção. Mesmo incompleto, ele emocionou a todos presentes e mostrou até onde os produtores queriam chegar contando a vida de Freddie Mercury.

Nesta sessão exclusiva, foram exibidas sequências até então inéditas. Entre elas, a ansiedade de Freddie Mercury antes dele subir no palco no Live Aid; como eles conheceu o baterista Roger Taylor e o guitarrista Brian May e deu início ao Queen; a complexa gravação da canção “Bohemian Rhapsody”; cenas da relação de Mercury com a namorada Mary Austin; como foi a decisão do cantor em sair em carreira solo, além de mais canções da performance do Live Aid. Sem dúvida, a cena mais tocante é aquela que mostra o momento em Freddie conta aos companheiros de banda que ele estava com o vírus do HIV. Mesmo assim, ele diz aos outros que queria seguir cantando até quando tivesse forças.

Se existe alguém responsável pela existência de Bohemian Rhapsody é o produtor britânico Graham King. Claro, ele não é uma figura conhecida pelo grande público, mas basta dizer que King foi responsável entre muito outros, por filmes como Tomb Raider – A Origem, Argo, O Aviador, Guerra Mundial Z, etc. Como fã do Queen, King queria muito contar a saga da banda. Na verdade, a produção de um filme sobre a vida de Freddie Mercury já vinha sendo discutida há muito tempo – todos devem lembrar que algumas vezes Sacha Baron Cohen foi anunciado como o ator que faria o cantor. Depois de muitas negociações, Cohen acabou desistindo devido aos caminhos criativos tomados pela produção que acabaram não o agradando. Tudo isso foi noticiado fartamente pela imprensa mundial e serviu para alimentar o interesse pela produção que em breve todos irão ver.

“Eu estou muito contente. Eu consegui fazer o filme que queria. Estou 100% satisfeito”, falou King, com um grande sorriso no rosto. “Acredito que conseguimos com este filme capturar o DNA do Freddie. Tivemos que fazer inúmeras escolhas em relação a este filme, como mostrar os fatos da vida de Freddie e até as canções que iríamos colocar na tela – afinal, o catálogo do Queen é um dos mais valiosos e conhecidos da história do rock.”

Mas por falar em escolhas, King diz que a melhor delas foi a escalação do norte-americano Rami Malek como Freddie Mercury, como exalta: “Rami é simplesmente incrível. Ele faz um tributo emocionante ao Freddie, e não uma simples imitação. Quando ele estava caracterizado como o cantor, você podia ver a emoção nos olhos das pessoas ao redor. Todo mundo tinha a sensação que Freddie tinha voltado. Com isto, nós tornamos uma família”.

O veterano produtor fala que já trafegou por diversos estilos cinematográficos, mas aponta que fazer uma biografia é algo sempre mais complicado: “É difícil você competir com os documentários, especialmente quando está lidando com alguém tão conhecido como Freddie Mercury”, relata. “Mas atingimos o tom certo. Garanto que ninguém vai se decepcionar com o resultado final e com os caminhos narrativos que seguimos”.

King também lembra que o Queen esteve na América do Sul no começo da década de 1980, quando o Brasil e a Argentina eram dominados por regimes militares. “A banda foi levar o rock para a América latina justamente quando existia todo este tipo de problema com ditaduras”, fala. “Filmamos algumas cenas respeito do assunto. Eu espero que tenha espaço para que elas entrem na edição final”.

Apesar de contar boa parte da incrível jornada de Freddie Mercury, King fala que o epicentro do filme é a performance do Queen acontecida dentro do festival Live Aid, no Estádio de Wembley, em Londres, no dia 13 de julho de 1985. King fala: “O Queen já era uma banda de imenso sucesso nos anos 1970, principalmente quando lançaram o hit ‘Bohemian Rhapsody’. Mas eles conseguiram ficar maior ainda depois do Live Aid, uma atuação magnífica que foi vista nos quatro cantos do mundo. Foram seis dias filmando esta sequência aqui na Inglaterra. Tivemos o maior rigor para que fosse mantido todo aquele clima de excitação. Mas voltando; depois do fenômeno Live Aid, o Queen não precisaria fazer mais nada, já que a imortalidade deles já estava garantida. É o que pretendemos também mostrar no filme”, fala King. Ele também esclarece que o filme termina neste ponto, já que a equipe de produção evitou mostrar os últimos anos e a morte do cantor.

A meta de King foi fazer um filme para o grande público, e não apenas por fanáticos pelo Queen, como explica. “Minha intenção era que este filme fosse o mais acessível possível”, fala. “A vida de Freddie foi muita rica. Não só por causa da incrível música que ele fez com o Queen, mas também por suas escolhas pessoais. Existem questões como a sexualidade dele, e o drama quando ele descobriu que estava com HIV. Mas tudo é tratado com extrema dignidade. Bohemian Rhapsody é um filme para você amar e sair abraçado quando ele acaba”, conclui.

 

Fonte: http://rollingstone.uol.com.br

 

 

Foi lançada recentemente a Loja Oficial do Queen no Brasil, a Queen Rock Store, e nós trazemos algumas das dezenas de itens da loja. Confira!! PS: Caso peça senha, use a: QUEENNETBRASIL

 

Acesse a loja Queen Rock Store

 

Agradecimentos a: Kaw

A mostra composta de quatro figurinos completos retratados no filme Bohemian Rhapsody

A Fox Film Brasil vai expor réplicas de figurinos do filme Bohemian Rhapsody com peças icônicas usadas pela banda Queen. A mostra composta de quatro figurinos completos, com roupas e acessórios entra em cartaz a partir deste sábado (20), no Shopping Tacaruna. O longa-metragem que estreia no dia 1° de novembro vai mostrar desde a formação da banda Queen até seis anos antes da morte de Freddie Mercury.

Os figurinos que integram a exposição são réplicas das peças usadas por Freddie Mercury em shows importantes como o Live Aid, no estádio Wembley, em Londres, e o show de Paris da turnê A Kind of Magic. Neste último, Freddie entrou no palco usando calça de couro branca, uma coroa, cetro e um manto vermelho que pesava mais de 10 quilos. O show aconteceu em 1986 e o figurino é um dos destaques da exposição. Já o figurino do Live Aid, um concerto em prol da erradicação da fome na Etiópia, que aconteceu em 1985, é composto por uma camiseta branca, calças jeans, pulseira e cinto de couro.
Os outros dois figurinos são uma blusa de cetim plissado e calça branca, e um macacão de lantejoulas prateadas.  A blusa de cetim branca formava ‘asas’ quando Freddie abria os braços e foi usada no lançamento do álbum Queen II, em março de 1974, em uma apresentação em Londres. Já o macacão de lantejoulas foi o figurino do show Live at the Madison Square Garden, que aconteceu em 2 de dezembro de 1977, em Nova York.
Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br

 

 

A previsão é de que o longa-metragem estrelado por Rami Malek arrecade R$ 30 milhões, apenas na América do Norte, em seu fim de semana de estreia

Bohemian Rhapsody, filme sobre a banda Queen, poderá arrecadar US$ 30 milhões apenas no final de semana de estreia na América do Norte. O montante será mais que suficiente para que o longa seja a segunda maior abertura de cinebiografia da história. As informações são da revista Variety.

O longa será protagonizado por Rami Malek (de Mr. Robot). Em entrevista ao New York Times, o ator revelou que, para dar vida a Freddie Mercury, se inspirou em outros artistas, como Jimi Hendrix, David Bowie e Liza Minnelli.

No caso de Minnelli, o Malek se baseou especificamente no longa Cabaret, que deu à atriz o Oscar de Melhor Atriz. “Em alguns momentos foi mais útil observar a Liza do que o próprio Freddie. Era ali que encontrava a inspiração e origem dos movimentos que ele fazia”, disse.

Bohemian Rhapsody tem estreia prevista para o dia 1 de novembro no Brasil.

 

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br

Quatro réplicas de figurinos do filme “Bohemian Rhapsody” integram a exposição inédita que o ParkShopping  traz para o Rio Grande do Sul em parceria com a Fox Film Brasil. A mostra prepara o espírito dos fãs para a estreia do filme no país, dia 1º de novembro, que mostra desde a formação da banda Queen até seis anos antes da morte de Freddie Mercury. O Park é um dos quatro shoppings no Brasil onde os amantes da lendária banda poderão ver de perto reproduções completas, com roupas e acessórios, de figurinos icônicos usados por Freddie Mercury em shows históricos.

No show realizado em Paris durante a turnê “A Kind of Magic”, Freddie entrou no palco usando calça de couro branca, uma coroa, cetro e um manto vermelho que pesava mais de 10 quilos. Este show aconteceu em 1986 e o figurino é um dos destaques da exposição.

No “Live Aid”, um concerto em prol da erradicação da fome na Etiópia, que aconteceu em 1985, o figurino é composto por uma camiseta branca, calças jeans, pulseira e cinto de couro. O show reuniu artistas gigantescos em um único evento. Entre os participantes, estavam The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, Joan Baez, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins, Eric Clapton e Black Sabbath.

Os outros dois figurinos são uma blusa de cetim plissado e calça branca, e um macacão de lantejoulas prateadas.  A blusa de cetim branca formava ‘asas’ quando Freddie abria os braços e foi usada no lançamento do álbum Queen II, em março de 1974, em uma apresentação em Londres. Já o macacão de lantejoulas foi o figurino do show “Live at the Madison Square Garden”, que aconteceu em 2 de dezembro de 1977, em Nova York.   

SERVIÇO

Exposição Inédita Figurinos de Bohemian Rhapsody

Quando: De 17 de outubro a 18 de novembro
Local: ParkShopping Canoas (Av. Farroupilha, 4545)
Onde: Piso L3
Horários: Segunda a sábado: 10h às 22h; domingos e feriados: 11h às 21h
Classificação: Livre
Atração gratuita

Crédito fotos: 20th Century Fox

Agradecimentos:  Adriana Zottis Moglia  – Comunicação Empresarial

 

Protagonista do filme diz que se sentiu pressionado para encarnar o mítico líder do Queen

Rami Malek, ator norte-americano que faz Freddie Mercury em “Bohemian Rhapsody”, diz que se sentiu pressionado ao aceitar o convite para protagonizar o filme.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o ator descreveu o momento em que recebeu o convite como “um daqueles em que sente que tem uma arma apontada à cabeça”.

“O que havia de fazer? Gosto de pensar que quando sou deparado com uma situação de: ou luta ou fugir, eu luto”, explica Malek, “os desafios mais assustadores que decidi aceitar na minha vida tem sido os mais recompensadores. E este filme é uma prova disso mesmo”.

“Bohemian Rhapsody” estreia nas salas de cinema no dia 1 de novembro.

Fonte: https://blitz.sapo.pt

 

A Fox divulgou nesta terça-feira mais uma cena de “Bohemian Rhapsody”, cinebiografia do líder do Queen, Freddie Mercury. No vídeo, podemos ver o nascimento de “We Will Rock You”, um dos maiores clássicos da banda britânica.

Em “Bohemian Rhapsody”, Rami Malek encarna o lendário Freddie Mercury. Ben Hardy (Roger Taylor), Gwilym Lee (Brian May) e Joseph Mazzello (John Deacon) completam os integrantes do Queen. O filme passou por percalços: o diretor Bryan Singer (“X-Men”) foi substituído por Dexter Fletcher (“Voando Alto”) no meio das filmagens, após discordâncias criativas e denúncias de abuso sexual que surgiram contra ele. A estreia de “Bohemian Rhapsody” nos cinemas brasileiros está marcada para 1º de novembro.

 

FOnte: https://entretenimento.uol.com.br

Bloco de carnaval só com músicas do Queen. Será nessa quinta agora, 18/10/2018, faremos uma festa de lançamento em SP.
Sintam—se todos convidados!

Descrição do evento

O Bloco de Carnaval Queen Magia celebra seu lançamento com uma grande festa na Casa do Baixo Augusta. Liderado pelo cantor São Yantó, Queen Magia é uma homenagem à consagrada banda QUEEN, e desfilará oficialmente nas ruas de São Paulo no carnaval de 2019.

O bloco relembra sucessos mundiais da banda com versões antropofágicas e carnavalescas que celebram toda a diversidade e riqueza da música brasileira. Canções como “We Will Rock You”, “I Want to Break Free”, “We Are The Champions”, “Kind of Magic” e “Radio Gaga” se transformam em animados samba-reggaes, axés, afoxés, ijexás, maracatus, frevos, marchinhas e outros ritmos da nossa música.

Serviço:

18 de outubro (quinta-feira)
Casa do Baixo Augusta (R. Rêgo Freitas, 553 – República, São Paulo)
Abertura da casa: 21h
Show: 23h
Ingressos: 20 (antecipados pelo sympla) / 30 (portaria)

Queen Magia é:

São Yantó (vocal)
Luiza Caspary, Paula Mirhan e Rhaissa Bittar (backing vocals)
Adriana Aragão e Gabriela Silveira (percussões)
André Bordinhon (guitarra)
Chicão (teclados)
Ivan Gomes (baixo)
Pitee Batelares (bateria)

 

Facebook: https://www.facebook.com/queenmagia/

Via instagram: QueenMagia

 

O cineasta Bryan Singer
O cineasta Bryan Singer

O diretor Bryan Singer usou o Instagram para se defender de um artigo da revista “Esquire” que deve ser lançado em breve, investigando as acusações de abuso sexual que foram levantadas contra ele em vários pontos de sua carreira.

O cineasta de “X-Men” deu a entender no post que a reportagem será lançada momentos antes da estreia do seu próximo filme, “Bohemian Rhapsody”, que conta a história de Freddie Mercury, vocalista do Queen. Singer ficou com o crédito de diretor do filme mesmo após ser afastado da produção e substituído por Dexter  Fletcher (“Voando Alto”), no meio das filmagens.

“Eu sei há algum tempo que a revista ‘Esquire’ vai publicar um artigo negativo contra mim”, escreveu Singer. “Eles entraram em contato com amigos, colegas e pessoas que eu nem mesmo conheço. Nos dias de hoje, em que as carreiras das pessoas estão sofrendo por conta de meras acusações, o que a ‘Esquire’ está fazendo é irresponsável. Eles não se importam com a verdade, e fazem presunções que são ficcionais”.

Singer foi acusado de estupro por Cesar Sanchez-Guzman no ano passado. O jovem conta que tinha 17 anos quando compareceu a uma festa em um iate na qual Singer era um dos convidados. Em 2014, Singer foi um dos nomes citados por por Michael Egan em acusações de assédio sexual contra vários figurões de Hollywood. Mais tarde, Egan voltou atrás nas denúncias.

“Este artigo vai tentar reviver acusações falsas e processos mentirosos contra mim”, continuou Singer no Instagram. “O texto vai usar de forma equivocada frases de ‘fontes com conhecimento íntimo de minha vida pessoal’, e vai tentar estabelecer a minha culpa a partir da associação com outras pessoas do meu passado. Eles tentarão manchar uma carreira que passei 25 anos construindo”.

 

Fonte: https://entretenimento.uol.com.br  com dica de Whatsappp Queen Net

Shawn Mendes lançou esta semana uma versão acústica de “Under Pressure”. “Em homenagem à vida e ao legado de Freddie Mercury e do Queen, e celebrando o biopic que em breve chegará às salas de cinema, “Bohemian Rhapsody”, o músico luso-descendente  lançou uma versão acústica do icônico single”, frisa a Universal Music em comunicado.

A canção, que foi produzida por Teddy Geiger, é a primeira de uma série de versões em apoio ao Mercury Phoenix Trust (MPT).

“A interpretação emotiva de Mendes e Geiger presta homenagem não só ao Queen, mas ao trabalho que continuam a fazer em nome de Mercury através da MPT – lutando contra a AIDS em todo o mundo”, acrescenta a editora em comunicado que o músico, o Universal Music Group e o Queen vão doar as vendas para o MPT,  organização fundada em 1992 por Brian May, Roger Taylor e Jim Beach.

 

Fonte: https://mag.sapo.pt

Ator se fortalece como um dos grande candidatos para levar o prêmio de Melhor Ator

O americano Rami Malek ganha força como um dos candidatos ao Oscar de melhor ator em 2019. A atuação dele como Freddie Mercury em Bohemian Rhapsody, biografia da banda Queen, tem atraído a atenção de críticos e grandes nomes da Academia.

Pete Hammond, do Deadline, comparou a atuação de Rami ao trabalho de Jamie Foxx para viver Ray Charles, no filme Ray, pelo qual Foxx ganhou o Oscar de melhor ator em 2004. Hammond destaca que Rami “sintetiza a personalidade e a essência perfomática do icônica vocalista, saltando da tela durante o filme, passando por momentos energéticos e dramáticos”.

O filme tem sido exibido em festivais de cinema nos Estados Unidos e o protagonista foi aplaudido de pé ao chegar numa coletiva que aconteceu depois de uma exibição para membros da Academia, comitê de indicação do SAG e personalidades que cobrem premiações de cinema na FOX, em Los Angeles, no último domingo.

Também foi ressaltado positivamente a maestria da 20th Century Fox em mesclar a voz original de Freddie e a de Malek. O ator teve a voz incorporada a do vocalista para dar às cenas mais naturalidade.

Rami Malik foi indicado duas vezes para o Globo de Ouro por sua atuação na série Mr. RobotBohemian Rhapsody tem estreia prevista para 1º de novembro no Brasil.

 

Fonte:  https://www.correiobraziliense.com.br

 

Para comemorar o lançamento do filme “Bohemian Rhapsody”, o Brasil receberá uma exposição com réplicas dos figurinos usados por Rami Malek no filme que reconta a trajetória da banda Queen e estreia em 1º de novembro. As peças serças serão expostas gratuitamente primeiro no Conjunto Nacional, em São Paulo, entre os dias 16 e 29 de outubro. Depois, a mostra segue para o Rio de Janeiro, Recife e Porto Alegre.  A exposição traz réplicas dos figurinos usados por Freddie Mercury em shows importantes como o “Live  Aid”, no estádio Wembley, em Londres, e o show da turnê “A Kind of Magic” em Paris.

Neste último, Freddie entrou no palco usando calça de couro branca, uma coroa, cetro e um manto vermelho que pesava mais de 10 kg. Este show aconteceu em 1986 e o figurino é um dos destaques da exposição.

Já o figurino do “Live  Aid”, show em prol da erradicação da fome na Etiópia, que aconteceu em 1985, é composto por uma camiseta branca, calça jeans, pulseira e cinto de couro.

Os outros dois figurinos são uma blusa de cetim plissado e calça branca, e um macacão de lantejoulas prateadas. A blusa de cetim branca formava “asas” quando Freddie abria os braços e foi usada no lançamento do álbum Queen II, em março de 1974, em uma apresentação em Londres.

Já o macacão de lantejoulas foi o figurino do show “Live at the Madison Square Garden”, que aconteceu em 2 de dezembro de 1977, em Nova York.

Em “Bohemian Rhapsody”, Rami Malek (“Mr. Robot”) encarna o lendário Freddie Mercury. Ben Hardy (Roger Taylor), Gwilym Lee (Brian May) e Joseph Mazzello (John Deacon) completam os integrantes do Queen.

 

Fonte: https://entretenimento.uol.com.br/   via   Grupo Whatsapp Queeen Net Participe!!

As primeiras reações de críticos especializados em cinema sobre “Bohemian Rhapsody”, a cinebiografia do Queen, estão sendo divulgadas por meio das redes sociais. O site CinePOP compilou alguns relatos que indicam um bom trabalho, com destaque para a atuação de Rami Malek, que interpreta o vocalista Freddie Mercury.

Veja, abaixo, alguns comentários a respeito de “Bohemian Rhapsody”:

Anne Thompson (IndieWire): “‘Bohemian Rhapsody’ é uma biopic certinha com muita música do Queen e uma performance forte de Rami Malek. Terá críticas mistas. Pode ser bem sucedido com o público.”

Mike Ryan (UpRoxx): “O que mais absorvi de ‘Bohemian Rhapsody’ é quanto o resto do Queen ressente Freddie Mercury. Mas Rami Malek está excepcional. Aliás, o fato de Mike Myers estar nesse filme é genial e insano também.”

Jenna Busch (Legion Of Leia): “Eu fiquei desnorteada com ‘Bohemian Rhapsody’. Rami Malek está fenomenal. História linda, filme de concerto incrível… não tenho palavras o bastante!”

Eric Kohn (IndieWire): “‘Bohemian Rhapsody’: Aquela cena do show do Live Aid me deu arrepios. Já o resto do filme…”

“Bohemian Rhapsody” vai retratar a trajetória do Queen sob a ótica do vocalista Freddie Mercury, falecido em 1991. A cinebiografia conta com as atuações de Rami Malek (Freddie Mercury), Gwilym Lee (Brian May), Joseph Mazzello (John Deacon) e Ben Hardy (Roger Taylor).

A estreia está marcada para o próximo dia 1° de novembro.

 

Fonte: https://whiplash.net

Como anunciado anteriormente, o Panic at The Disco apresentou Bohemian Rhapsody no AMAs (American Music Awards). Confira abaixo:

 

Fonte: www.queenonline.com

 

 

Um novo vídeo de bastidores de Bohemian Rhapsody foi divulgado, e ele é focado em como o ator Rami Malek se transformou em Freddie Mercury para o filme, estudando todos os trejeitos do cantor e a forma como ele se movimentava no palco. Veja acima.

Bohemian Rhapsody vai contar a história do Queen, da formação da banda até os seis anos que antecederam a morte de Mercury, em 1991.

O elenco inclui Rami Malek (Freddie Mercury), Gwilym Lee (Brian May), Ben Hardy (Roger Taylor), Joe Mazzello (John Deacon) e  Lucy Boynton (Mary Austin).

Bohemian Rhapsody estreia em 2 de novembro de 2018.

 

Fonte: https://jovemnerd.com.br

 

O filme Bohemian Rhpsody terá uma pré-estreia especial no Brasil. A Fox Film anunciou recentemente a Celebration Experience, um evento que marcará a pré-estreia do filme biográfico do Queen e também contará com shows em homenagem a banda.

O evento ocorrerá no Allianz Parque Hall, em São Paulo, no dia 30 de Outubro, terá lugar para 4 mil espectadores (dividido em três setores). Além da exibição do filme, o evento contará com shows de Frejat e banda Malta, que tocará homenagens ao Queen.

Os ingressos já são estão sendo vendidos e os valores variam entre R$120 e R$180 inteiras, e R$60 e R$80 meia-entrada. Você pode efetuar a compra no site oficial: www.bohemiancelebration.com.br

A estreia geral no Brasil ocorrerá no dia 1º de Novembro.

 

Fonte: Omelete

Saiu na Revista Quem: o ator Hugo Bonemer dublará Freddie Mercury no filme “Bohemian Rhapsody”, que estreia no Brasil no dia 1º de novembro, trazendo Rami Malek no papel do lendário vocalista.

Hugo assistiu ao filme para poder fazer o trabalho, e revela ter chorado muito com um segredo na história: “O que posso dizer é que este detalhe tem a ver com a amizade entre ele e Mary Austin, e é muito emocionante, especialmente para os Brasileiros que foram ao Rock in Rio de 85”, conta o ator.

 

Fonte: https://whiplash.net

Pré-lançamento Loja Oficial do Queen no Brasil! 🇧🇷

Tá afim de conferir os produtos Queen no Brasil? Pra você que é fã assim como a gente, vai pirar!
Use nossa chave de acesso (QUEENNETBRASIL) para ver todos os produtos de quem fez história na música! Confira: http://bit.ly/QUEENROCKSTORE

Você encontrará dezenas de itens da banda, de roupas, LPs, CDs e muito mais. Tudo com a exclusividade Queen Rock Store.

 

Link para loja: http://bit.ly/QUEENROCKSTORE

Código de acesso: QUEENETBRASIL

 

Agradecimentos à: Kaw