AC/DC, Maiden, Queen: veja 20 vocalistas substitutos do rock

Enviada por: Bruno Cavalcante de Oliveira
Data: 13/03/2012 16:22:19
Postado em: Queen Outros

Blaze Bailey, Brian Johnson e Paul Rodgers: eles aceitaram o desafio de ocupar o lugar de ídolos. Foto: Divulgação/Getty Images

Blaze Bailey, Brian Johnson e Paul Rodgers: eles aceitaram o desafio de ocupar o lugar de ídolos

Durante 20 anos, Freddie Mercury liderou o Queen em uma das carreiras mais bem-sucedidas da história da música. No entanto, com sua morte, em 1991, a lendária banda britânica tomou a decisão de encerrar suas atividades – algo que só viria a mudar em 2003, quando anunciou o projeto Queen + Paul Rodgers, responsável pela primeira turnê do grupo desde a perda de seu protagonista.

Paul Rodgers - Em 2007, mais de uma década depois da morte de Freddie Mercury, Brian May e Roger Taylor decidiram trazer o Queen de volta à ativa, com Paul Rodgers nos vocais. Apresentando-se como Queen + Paul Rodgers, o projeto rendeu DVD e giro pelo mundo. Em 2012, a dupla anunciou nova turnê, desta vez com o cantor Adam Lambert, famoso por participar do reality American Idol, no posto; veja outros substitutos da música  Foto: Getty Images

Paul Rodgers – Em 2007, mais de uma década depois da morte de Freddie Mercury, Brian May e Roger Taylor decidiram trazer o Queen de volta à ativa, com Paul Rodgers nos vocais. Apresentando-se como Queen + Paul Rodgers, o projeto rendeu DVD e giro pelo mundo. Em 2012, a dupla anunciou nova turnê, desta vez com o cantor Adam Lambert, famoso por participar do reality American Idol, no posto

Brian Johnson - Bon Scott pode até ser considerado até hoje a verdadeira voz do AC/DC, mas são inegáveis as enormes mudanças ocorridas no grupo após sua morte, em 1980. Naquele ano, a banda anunciou rapidamente seu substituto e lançou aquele que segue sendo o album mais vendido do rock: Back in Black. Com sua voz única, o carismático e sorridente Brian Johnson acabou se tornando quase tão emblemático ao grupo australiano quanto o lendário guitarrista Angus Young  Foto: Getty Images

Brian Johnson – Bon Scott pode até ser considerado até hoje a verdadeira voz do AC/DC, mas são inegáveis as enormes mudanças ocorridas no grupo após sua morte, em 1980. Naquele ano, a banda anunciou rapidamente seu substituto e lançou aquele que segue sendo o album mais vendido do rock: Back in Black. Com sua voz única, o carismático e sorridente Brian Johnson acabou se tornando quase tão emblemático ao grupo australiano quanto o lendário guitarrista Angus Young

Ronnie James Dio - A saída de Ozzy do Black Sabbath, em 1978, deu à banda a voz que se tornou um dos maiores símbolos da história do metal. Com talento inversamente proporcional à altura, o baixinho Dio veio do Rainbow para fazer barulho frente ao quarteto, na que é por muitos considerada uma das melhores substituições do rock. Pouco antes de morrer, em 2010, ele voltou a se reunir com o grupo, adotando o nome Heaven and Hell, referência ao disco homônimo de 1980  Foto: Getty Images

Ronnie James Dio – A saída de Ozzy do Black Sabbath, em 1978, deu à banda a voz que se tornou um dos maiores símbolos da história do metal. Com talento inversamente proporcional à altura, o baixinho Dio veio do Rainbow para fazer barulho frente ao quarteto, na que é por muitos considerada uma das melhores substituições do rock. Pouco antes de morrer, em 2010, ele voltou a se reunir com o grupo, adotando o nome Heaven and Hell, referência ao disco homônimo de 1980

David Coverdale - Em 1973, o então desconhecido David Coverdale, que mais tarde viria a fundar o Whitesnake, se juntou ao Deep Purple, dividindo os vocais com o baixista Glenn Hughes. Burn, Stormbringer e Come Taste the Band são ainda considerados alguns dos trabalhos mais marcantes do quinteto, um dos mais importantes da história do hard rock britânico  Foto: Getty Images

David Coverdale – Em 1973, o então desconhecido David Coverdale, que mais tarde viria a fundar o Whitesnake, se juntou ao Deep Purple, dividindo os vocais com o baixista Glenn Hughes. Burn, Stormbringer e Come Taste the Band são ainda considerados alguns dos trabalhos mais marcantes do quinteto, um dos mais importantes da história do hard rock britânico

Sammy Hagar - A entrada de Sammy Hagar como substituto de David Lee Roth deu novo fôlego ao Van Halen. Já uma banda bem-sucedida na ocasião, em 1985, o cantor ajudou a banda a chegar pela primeira vez ao topo das paradas de sucesso americanas, com o disco 5150. Depois de gravar mais três discos, o vocalista deixou o quarteto. Gary Cherone entrou em seu lugar em fase de baixa do grupo, que trouxe Lee Roth de volta para uma reunião, em 2007  Foto: Getty Images

Sammy Hagar – A entrada de Sammy Hagar como substituto de David Lee Roth deu novo fôlego ao Van Halen. Já uma banda bem-sucedida na ocasião, em 1985, o cantor ajudou a banda a chegar pela primeira vez ao topo das paradas de sucesso americanas, com o disco 5150. Depois de gravar mais três discos, o vocalista deixou o quarteto. Gary Cherone entrou em seu lugar em fase de baixa do grupo, que trouxe Lee Roth de volta para uma reunião, em 2007

Blaze Bailey - Tudo bem, Bruce Dickinson também foi um substituto. Mas é difícil considerá-lo uma 2ª opção no Iron Maiden, pois foi com ele que a banda se tornou o que é hoje. Em 1993, no entanto, Bruce a deixou e foi substituído por Blaze Bailey, na que foi uma das mais criticadas mudanças do rock. Em sua última turnê, de Virtual XI, em 1998, o clima era tão ruim que o suplente sequer viajava junto com seus colegas e, pelas costas, era achincalhado por eles  Foto: Divulgação

Blaze Bailey – Tudo bem, Bruce Dickinson também foi um substituto. Mas é difícil considerá-lo uma 2ª opção no Iron Maiden, pois foi com ele que a banda se tornou o que é hoje. Em 1993, no entanto, Bruce a deixou e foi substituído por Blaze Bailey, na que foi uma das mais criticadas mudanças do rock. Em sua última turnê, de Virtual XI, em 1998, o clima era tão ruim que o suplente sequer viajava junto com seus colegas e, pelas costas, era achincalhado por eles

William DuVall - Durante muito tempo, o Alice in Chains permaneceu inativo. Curiosamente, a morte do vocalista Layne Staley por overdose, em 2002, parece ter mudado os rumos da banda. Dois anos depois da tragédia, os integrantes remanescentes do quarteto voltaram a tocar juntos e, finalmente, em 2007, confirmaram William DuVall como seu novo vocalista  Foto: Getty Images

William DuVall – Durante muito tempo, o Alice in Chains permaneceu inativo. Curiosamente, a morte do vocalista Layne Staley por overdose, em 2002, parece ter mudado os rumos da banda. Dois anos depois da tragédia, os integrantes remanescentes do qu

Phil Collins - Talvez o caso do Genesis seja um dos mais curiosos de substituições no mundo da música. Baterista da banda, Phil Collins assumiu os vocais quando Peter Gabriel decidiu deixá-la para seguir carreira solo. Com o tempo, ele levou o grupo a se consolidar como um dos nomes mais bem-sucedidos da história rock, com mais de 150 milhões de discos vendidos  Foto: Getty Images

Phil Collins – Talvez o caso do Genesis seja um dos mais curiosos de substituições no mundo da música. Baterista da banda, Phil Collins assumiu os vocais quando Peter Gabriel decidiu deixá-la para seguir carreira solo. Com o tempo, ele levou o grupo a se consolidar como um dos nomes mais bem-sucedidos da história rock, com mais de 150 milhões de discos vendidos

Tim Ripper Owens - A história de Tim Ripper Owens é tão curiosa que, em 2001, foi adaptada para os cinemas pelo longa Rock Star, estrelado por Mark Wahlberg e Jennifer Aniston. No entanto, as pressões mercadológicas fizeram com que a saga do cantor cover transformado em astro do rock com o Judas Priest caísse na mesmice de sempre: em 2003, Rob Halford, o Metal God, anunciava seu retorno ao grupo que o consagrou, dez anos após deixá-lo  Foto: Getty Images

Tim “Ripper” Owens – A história de Tim “Ripper” Owens é tão curiosa que, em 2001, foi adaptada para os cinemas pelo longa Rock Star, estrelado por Mark Wahlberg e Jennifer Aniston. No entanto, as pressões mercadológicas fizeram com que a saga do cantor cover transformado em astro do rock com o Judas Priest caísse na mesmice de sempre: em 2003, Rob Halford, o “Metal God”, anunciava seu retorno ao grupo que o consagrou, dez anos após deixá-lo

Andi Deris - Apesar de a saída de Michael Kiske ser até hoje alvo de contestações por parte de fãs do Helloween, é fato que, quando esta ocorreu, a banda se afastava a cada dia mais de suas raízes metaleiras. O cantor de hard rock Andi Deris o substituiu e, mesmo sendo infinitamente inferior a seu antecessor tecnicamente, fez com que o quinteto retornasse ao estilo que o consagrou, voltando a ser um nome respeitado no meio  Foto: Getty Images

Andi Deris – Apesar de a saída de Michael Kiske ser até hoje alvo de contestações por parte de fãs do Helloween, é fato que, quando esta ocorreu, a banda se afastava a cada dia mais de suas raízes metaleiras. O cantor de hard rock Andi Deris o substituiu e, mesmo sendo infinitamente inferior a seu antecessor tecnicamente, fez com que o quinteto retornasse ao estilo que o consagrou, voltando a ser um nome respeitado no meio

Jon Stevens - Apesar de o INXS só ter voltado a gravar um disco com J.D. Fortune nos vocais, em 2005, o primeiro substituto de Michael Hutchence na banda foi o cantor neozelandês Jon Stevens, que ficou no posto entre os anos de 2002 e 2004. Em 1997, morreu o cantor original do grupo, que, depois disso, permaneceu quase cinco anos fora de atividade  Foto: Getty Images

Jon Stevens – Apesar de o INXS só ter voltado a gravar um disco com J.D. Fortune nos vocais, em 2005, o primeiro substituto de Michael Hutchence na banda foi o cantor neozelandês Jon Stevens, que ficou no posto entre os anos de 2002 e 2004. Em 1997, morreu o cantor original do grupo, que, depois disso, permaneceu quase cinco anos fora de atividade

Michale Graves - Depois de batalhas judiciais com o vocalista original, Glenn Danzig, que deixou a banda em 1983, o Misfits voltou à ativa em 1995 com Michale Graves como cantor. A formação rendeu três discos, até ele abandonar o grupo, em 2000 - levando seu fundador, Jerry Only, a ocupar o posto desde então  Foto: Getty Images

Michale Graves – Depois de batalhas judiciais com o vocalista original, Glenn Danzig, que deixou a banda em 1983, o Misfits voltou à ativa em 1995 com Michale Graves como cantor. A formação rendeu três discos, até ele abandonar o grupo, em 2000 – levando seu fundador, Jerry Only, a ocupar o posto desde então

Steve Augeri - A saída definitiva de John Perry do comando do Journey, em 1998, parecia que iria marcar de vez o fim da banda. No entanto, o guitarrista Neal Schon e o baixista Ross Valory, da formação original, insistiram em manter o grupo norte-americano vivo, trazendo Steve Augeri para o posto de cantor. Em 2006, ele foi substituído por Jeff Scott Soto, que um ano depois deu lugar a Arnel Pineda nos vocais  Foto: Getty Images

Steve Augeri – A saída definitiva de John Perry do comando do Journey, em 1998, parecia que iria marcar de vez o fim da banda. No entanto, o guitarrista Neal Schon e o baixista Ross Valory, da formação original, insistiram em manter o grupo norte-americano vivo, trazendo Steve Augeri para o posto de cantor. Em 2006, ele foi substituído por Jeff Scott Soto, que um ano depois deu lugar a Arnel Pineda nos vocais

John Corabi - Apesar da qualidade vocal e da habilidade para escrever canções, John Corabi fracassou em sua curta passagem pelo Mötley Crüe, no qual substituiu Vince Neil entre os anos de 1992 e 1997. O fiasco nas vendagens de Mötley Crüe, de 1994, e a posterior baixa aceitação dos fãs durante a turnê, fez os norte-americanos voltarem atrás e trazerem o vocalista que os consagrou de volta ao barco  Foto: Getty Images

John Corabi – Apesar da qualidade vocal e da habilidade para escrever canções, John Corabi fracassou em sua curta passagem pelo Mötley Crüe, no qual substituiu Vince Neil entre os anos de 1992 e 1997. O fiasco nas vendagens de Mötley Crüe, de 1994, e a posterior baixa aceitação dos fãs durante a turnê, fez os norte-americanos voltarem atrás e trazerem o vocalista que os consagrou de volta ao barco

Anette Olzon - Poucos dias depois de se apresentar em São Paulo como uma das atrações principais do extinto festival Live and Louder, em 2007, o Nightwish expulsou Tarja Turunen do posto de vocalista da banda. A sueca Annete Olson, sua substituta, foi escolhida após uma série de testes realizados pelo quinteto, o grande responsável por introduzir vocais femininos líricos com sucesso no heavy metal   Foto: Getty Images

Anette Olzon – Poucos dias depois de se apresentar em São Paulo como uma das atrações principais do extinto festival Live and Louder, em 2007, o Nightwish expulsou Tarja Turunen do posto de vocalista da banda. A sueca Annete Olson, sua substituta, foi escolhida após uma série de testes realizados pelo quinteto, o grande responsável por introduzir vocais femininos líricos com sucesso no heavy metal

 

Johnny Solinger – Depois de uma apresentação marcada por garr

Johnny Solinger - Depois de uma apresentação marcada por garrafas voadoras e vaias, realizada na edição brasileira do festival Monsters of Rock, em 1996, Sebastian Bach foi expulso do Skid Row. Fisicamente bastante parecido com o vocalista original, Johnny Solinger foi recrutado para substituí-lo - o que faz até hoje apesar da irrelevância cada vez maior do grupo no meio do hard rock norte-americano  Foto: Getty Images

afas voadoras e vaias, realizada na edição brasileira do festival Monsters of Rock, em 1996, Sebastian Bach foi expulso do Skid Row. Fisicamente bastante parecido com o vocalista original, Johnny Solinger foi recrutado para substituí-lo – o que faz até hoje apesar da irrelevância cada vez maior do grupo no meio do hard rock norte-americano

Digão - Quando Rodolfo abandonou o Raimundos em 2001, a solução encontrada pela banda foi semelhante à tomada pelo Genesis para substituir Peter Gabriel: colocar um de seus integrantes para assumir os vocais. O desafio coube ao guitarrista Digão, que em 2009 passou o posto para Tico Santa Cruz, reassumindo-o na sequência, no ano seguinte  Foto: Renato Beolch/Terra

Digão – Quando Rodolfo abandonou o Raimundos em 2001, a solução encontrada pela banda foi semelhante à tomada pelo Genesis para substituir Peter Gabriel: colocar um de seus integrantes para assumir os vocais. O desafio coube ao guitarrista Digão, que em 2009 passou o posto para Tico Santa Cruz, reassumindo-o na sequência, no ano seguinte

Derrick Green - A demissão da mulher de Max Cavalera, Gloria Bujnowski, do posto de empresária do Sepultura levou o vocalista a abandonar a banda, em 1997. Para seu lugar foi chamado o norte-americano Derrick Green. Contudo, apesar de sua superioridade como cantor, o enfraquecimento do quarteto ficou notório por ter perdido sua grande referência no palco - fato recrudescido com a saída do baterista Igor Cavalera, em 2006  Foto: Ricardo Matsukawa/Terra

Derrick Green – A demissão da mulher de Max Cavalera, Gloria Bujnowski, do posto de empresária do Sepultura levou o vocalista a abandonar a banda, em 1997. Para seu lugar foi chamado o norte-americano Derrick Green. Contudo, apesar de sua superioridade como cantor, o enfraquecimento do quarteto ficou notório por ter perdido sua grande referência no palco – fato recrudescido com a saída do baterista Igor Cavalera, em 2006

Zélia Duncan - Passaram-se quase 25 anos até que Os Mutantes finalmente resolvessem substituir Rita Lee nos vocais do grupo. Em 2006, Sérgio Dias e Arnaldo Baptista se uniram a Zélia Duncan para uma turnê, que rendeu o disco Mutantes Ao Vivo - Barbican Theatre, Londres. A formação, no entanto, não durou, com a cantora abandonando o projeto no ano seguinte  Foto: Getty Images

Zélia Duncan – Passaram-se quase 25 anos até que Os Mutantes finalmente resolvessem substituir Rita Lee nos vocais do grupo. Em 2006, Sérgio Dias e Arnaldo Baptista se uniram a Zélia Duncan para uma turnê, que rendeu o disco Mutantes Ao Vivo – Barbican Theatre, Londres. A formação, no entanto, não durou, com a cantora abandonando o projeto no ano seguinte

Edu Falaschi - Em 1999, quando lançou o disco Fireworks, o Angra era o grande representante do metal melódico nacional, com André Matos nos vocais. No ano seguinte, no entanto, devido a problemas com empresários, o quinteto se separou e trouxe Edu Falaschi para o posto. A passagem durou mais de uma década, rendeu 3 discos de estúdio, mas foi encerrada no ano passado, quando o cantor foi achincalhado depois do show do grupo no Rock in Rio devido a limitações vocais  Foto: Getty Images

Edu Falaschi – Em 1999, quando lançou o disco Fireworks, o Angra era o grande representante do metal melódico nacional, com André Matos nos vocais. No ano seguinte, no entanto, devido a problemas com empresários, o quinteto se separou e trouxe Edu Falaschi para o posto. A passagem durou mais de uma década, rendeu 3 discos de estúdio, mas foi encerrada no ano passado, quando o cantor foi achincalhado depois do show do grupo no Rock in Rio devido a limitações vocais

 

Fonte: www.terra.com.br





Deixe um comentário: