Fã brasileiro faz sua guitarra Red Special caseira em Lages

Enviada por: Alexandre Portela
Data: 13/01/2013 12:40:28
Postado em: Queen Outros

Durante quatro anos, um lageano se dedicou a um projeto: fazer uma guitarra igual a de Brian May, do grupo Queen

Coisas de fã. Em 1997, Maironi Souza começava a tocar guitarra e se apaixonou por uma banda: Queen. Mais especificamente, por um timbre. Era o da Red Special, instrumento construído por Brian May (guitarrista do Queen), entre 1966 e 1967.

Maironi queria uma Red Special. Há modelos disponíveis no mercado por mais de R$ 5 mil, e ainda sim não são cópias idênticas àquela guitarra feita a mão pelo guitarrista inglês.

A Red Special é lendária dentro do rock. Sem dinheiro para comprar as boas guitarras da época, Brian e seu pai resolveram que iriam construir uma. Ganharam uma peça de madeira de uma lareira e o então jovem instrumentista começou a pensar em tudo. O corpo deveria se pensado para ter uma acústica perfeita. O braço, onde o instrumentista toca as nota, deveria ser grosso, facilitando a pegada. Foi inovador ao ponto que criou a escala de 24 trastes, que possibilita notas mais agudas.

Para fazer a parte de ferragens, Brian usou peças de uma moto e até uma agulha de crochê. Deu certo. Maironi queria fazer a mesma coisa. Construir uma Red Special “na unha”, ajuda de equipamentos modernos ou experiência como luthier (construtor de instrumentos).

Primeiro, juntou peças de guitarras, construiu um corpo igual a da Red Special e se decepcionou. Não era uma guitarra boa. Ali começou um trabalho que se estenderia por um bom período na vida de Maironi. Durante um ano e meio, ele queimou neurônios para fazer o projeto. Depois, mais dois anos e meio construindo, o mesmo tempo que Brian.

Assim como o guitarrista inglês, Maironi ganhou um pedaço de madeira e iniciou os trabalhos. Possuia apenas uma peça de cada parte do instrumento, o que não o permitia errar. Tudo o que iria fazer na guitarra principal, testava antes em pequenos pedaços de madeira.

 Até rebites

 Ele usou rebites de telhado para fazer os botões que Brian fez no torno de sua escola, pegou um pedaço de tanquinho de lavar roupa, cortou e pintou de preto para fazer o escudo. Moldou na morsa a ponte da guitarra. De fato, quase tudo foi no improviso.

Comprados apenas os captadores (iguais aos usados na Red Special original) e umas tarraxas baratas. “Se o instrumento afinasse, eu já estava no lucro”.

De início, parecia um instrumento tosco, que serviria mais para enfeite do que para tocar. Engano, ela afinou. Mais que isso, ficou bom, muito bom. Uma guitarra estável, com um som primoroso, semelhante ao da Red Special original. “Depois que o Queen ficou famoso, o Brian May poderia ter comprado uma guitarra de marca, mas ele continuava usando a Red Special. Não era só para promover o instrumento que ele fez, mas tinha que ser uma guitarra muito boa para ele continuar usando”. Bastou seguir o projeto original de Brian e a guitarra ficou excelente.

O último capítulo da história aconteceu no dia 4 de janeiro: Maironi agora é pai. O nome do filho, é claro, Brian.

Uma moedinha por um timbre melhor

Mesmo Brian, quando criou sua Red Special, não ficou totalmente satisfeito com o timbre que ela dava. Até que um dia, em uma apresentação, esqueceu sua palheta. Teve que usar uma moeda inglesa de seis pences e ali achou a perfeição.

Maironi, por sua vez, achava que essa história da moeda era mais mito que verdade. Comprou um pedal de efeitos que simula os timbres de Brian May e junto veio a mesma moeda usada pelo britânico. Usou, apenas por curiosidade e viu que a lenda era real.

Aquele pedaço de metal fazia a diferença. Pena que a moeda era grande demais.

O que se seguiu foi uma busca incessante pela moeda ideal. As brasileiras, feitas de aço, grudam nos captadores, que possuem um imã na parte interna. A única coisa que Maironi sabia é que seria estrangeira.

Recebeu moedas árabes, chinesas, uma com um furo no meio e várias que nem sabia de onde surgiam. A ideal apareceu da vizinha Argentina. A moeda de dez pesos era perfeita. Um amigo, que viajava constantemente para lá, trouxe um pote enorme com as tais moedas.

Um dia perdeu uma, foi pegar outra e Maironi percebeu que esta grudava no captador. Foi descobrir a origem do mistério. Todas as moedas posteriores a 1994 são feitas de aço e latão, enquanto as anteiores eram de bronze de alumínio. A ‘palheta’ de Maironi agora é rara.

 Guitarra pronta, emprego novo

 Para Maironi, a música ‘We are the champions’, sua preferida, caiu como uma luva em sua história. Depois de terminar sua Red Special, foi contatado pelo representante da Brian May Guitars (empresa do guitarrista inglês) no Brasil. Sonho mais que realizado. “Se me dessem uma Red Special construída e autografada pelo Brian May, eu colocaria na parede, mas não largaria a minha, que eu fiz”.

 

Fonte:  www.bmgbrasil.com
Dica de: Roberto Mercury




Um comentário:

  1. Cara eu sou um fã também do queen. Meu sonho é também tocar numa guitarra dessa, parabéns pelo empenho te admiro muito

  2. fabricio oliveira em 17/10/2015 às 18:49

Deixe um comentário: