ANATO entre os discos que mudaram a vida de Andreas Kisser

Enviada por: Alexandre Portela
Data: 07/10/2011 22:08:00
Postado em: Queen Outros

Sepultura: os discos que mudaram a vida de Andreas Kisser

Em entrevista ao Noisecreep, Andreas Kisser falou sobre os cinco álbuns que mudaram sua vida.

“A Night At The Opera” – Queen (1975)

Foi o primeiro disco que tive, entre 1979 e 80. Lembro que tive que convencer meu pai a comprar. Ele não gostava de Rock and Roll, só ouvia música brasileira e clássica. Adorei desde a primeira vez que escutei, especialmente a masterpiece “Bohemina Rhapsody”. Uma mistura perfeita de Rock, Folk e Música Clássica, ainda uma das minhas favoritas de todos os tempos.

“Alive II” – KISS (1977)

Um vizinho mais velho tinha uma coleção de discos incrível. Ele costumava fazer compilações em K7 para mim. Um dia, vi a capa do segundo disco ao vivo do KISS. Fiquei chocado, muito impressionado. Tive que comprá-lo. O KISS era uma das poucas bandas que era fácil achar discos no Brasil. O disco é intenso, com uma platéia que fez eu me sentir na arena. Também amo o quarto lado, com as faixas inéditas.

“Paranoid” – Black Sabbath (1970)

Quando ouvi a faixa-título pela primeira vez, fiquei louco. Tinha uma fita com ela gravada várias vezes, deixava rolar sem parar. Tinha um efeito hipnótico. Esse álbum conta com as músicas mais vigorosas e riffs mais conhecidos de todos os tempos. Eles mudaram a música com o som cru e pesado. É a melhor banda da história.

“Ride The Lightning” – Metallica (1984)

Com esse álbum vi a possibilidade de misturar agressividade e melodias de guitarras limpas. É um trabalho essencial. A primeira música que aprendi foi “The Call Of Ktulu”, a faixa instrumental. Foi um desafio. Era uma verdadeira escola aprender aquele tipo de riff. Em 1992, fiz uma jam com o Metallica, quando James Hetfield sofre o acidente que lhe causou queimaduras. Foi uma grande experiência.

“Schizophrenia” – Sepultura (1987)

Minha primeira experiência de gravação. Também foi minha estréia no Sepultura e aidna é um dos álbuns mais importantes de minha vida. É um disco muito intenso e cru. Gravamos em dois ou três dias e aprendi muito durante o processo. Meu estilo de tocar mudou, já que precisava adaptar algumas posições que os riffs pediam. Com esse álbum fomos apresentados ao mundo e nossas vidas mudaram. Foi como passar para outra fase da vida, de garoto para homem.


Fonte: http://whiplash.net
Dica de: Roberto Mercury





Deixe um comentário: